Resenha: Cidades de Papel, John Green


Cidades de Papel conta a história de uma rapaz chamado Quentin Jacobsen (apenas Q para os íntimos) que está no seu último ano escolar, onde divide espaço com seus dois melhores amigos Ben e Radar. Ali na escola existe uma velha conhecida — velha amiga de infância, pra ser mais exata. O nome dela é Mago Roth Spiegelman, a garota por quem Q nutre uma paixão platônica desde a sua infância. Naquela época eles eram muito amigos, mas a chegada da adolescência os fez se afastar, os tornando apenas conhecidos para a tristeza do pobre rapaz.

Um certo dia, quer dizer, uma certa noite, Margo aparece surpreendentemente na janela de Q e o fez uma proposta que ele pensou em recusar, mas acabou cedendo. Aquela noite se torna memorável para ambos, mas o desaparecimento de Margo no dia seguinte muda todo o rumo da história e também a rotina de Quentin.


Disposto a encontrá-la, Q faz investigações e descobre vários lugares para onde ela poderia ter ido, mas nenhum deles acaba sendo o certo. No meio de toda essa confusão, Quentin se pega pensando em por que Margo faria aquilo, uma vez que ela tinha tudo o que era considerado o suficiente para fazer alguém feliz. E ali, no meio de tantas cidades de papel, nós descobrimos o porque de tudo isso junto com ele.

"Quanto mais eu trabalho, mais eu percebo que os seres humanos carecem de espelhos. É muito difícil para qualquer um mostrar a nós como somos de fato, é é muito difícil para nós mostrarmos aos outros o que sentimos."

Cidades de Papel é um livro de escrita simples e história cativante, que faz você vibrar facilmente a cada nova descoberta e também fazer você ficar frustrado a cada decepção. Como sempre, Green acertou em cheio. É um livro emocionante e bastante reflexivo. Depois de lê-lo você passar a entender melhor as pessoas e até a você mesmo, de uma forma sutil e certeira.

A maior descoberta desse livro não é o paradeiro de Margo, mas que as pessoas são simplesmente pessoas e que devemos lidar melhor com esse fato. Pessoas tem sentimentos e estão aptas a sentir o mesmo que qualquer um pode sentir, o que é bem difícil, eu sei. E como a nossa querida Margo diz, somos apenas pessoas de papel, em cidades de papel.

2 comentários

  1. Adorei a resenha! Cidades de Papel está na minha wishlist há algum tempo. Aliás, vários livros estão, mas graças ao vestibular eu ando sem tempo pra tanta coisa. :( Os livros do John Green sempre me passam alguma mensagem, sempre, e é isso o que eu mais curto na escrita dele, além de ser algo gostoso de se ler.

    Beijos,
    Elieny Brandão!
    rilassare la mente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, obrigada meu anjo! Cidades de Papel é um livro completo e eu concordo plenamente com você em relação aos livros de Green. Por isso ele faz tanto sucesso e, é bem merecido, não é?!

      Beijos!

      Excluir

— Não toleramos desrespeito com leitores e autores do blog.
— Se for criticar, que seja uma crítica construtiva.
— Se estiver em anônimo, deixe seu nome no fim do comentário, queremos saber quem são nossos leitores!
— Todos os comentários são lidos.

Leu? Entendeu? Agora nos faça feliz com seu comentário :D